Nenhuma iniciativa de conservação é uma ilha. Para permitir melhores oportunidades de sucesso a longo prazo na proteção de grandes animais marinhos selvagens, a ciência e as ações de conservação requerem múltiplas abordagens, habilidades e níveis de engajamento. A MarAlliance trabalha a partir de ‘raizes’ com pescadores e parceiros comunitários até instituições académicas, gestores das áreas protegidas, e decisores políticos. Nós criamos diversas iniciativas de conservação bem sucedidas e colaborativas que nos ajudam a criar redes que facilitam uma melhor partilha de conhecimentos das nossas abordagens (e as lições aprendidas!). Essas colaborações e redes são mecanismos fundamentais que sustentam a reprodução e a ampliação das pesquisas de megafauna marinha bem como os esforços de conservação para um maior impacto na conservação.


Um peixe-serra (Pristis pristis) capturado no rio Sarstoon, Guatemala, por volta de 1970. Foto da foto original

Trabalhando com a Sociedade de Conservação de Peixe-Serra

O peixe-serra, é uma família de peixes cartilaginosos constituídos por cinco espécies, foi recentemente identificado como o mais vulnerável de todas as famílias de elasmobrânquios. Ecologicamente extinto na maioria da sua extensão devido à sobreexploração, nomeadamente através do uso de redes de emalhar, o peixe-serra está atualmente à beira da extinção. Trabalhamos com a Sawfish Conservation Society e cientistas nos EUA para que possamos contribuir com dados para ajudar a avaliar a diversidade e distribuição da população da sua faixa restante.

Parcerias para Ciências Genéticas

Estudar o DNA dos organismos pode revelar mais do que apenas o seu código genético. Estamos a trabalhar com cientistas nos EUA e na Austrália para determinar a identificação das espécies, padrões de movimento e conectividade, biodiversidade, relacionamentos populacionais e ecologia espacial dos tubarões, raias e peixes. Coletamos informações genéticas ao cortar um pequeno pedaço de barbatana do animal e preservando-o em etanol ou DMSO. Este procedimento não é invasivo, e o pequeno pedaço de tecido contém grandes quantidades de informações sobre o indivíduo.

Estudando contaminantes com o Instituto de Pesquisa Integrada de Materiais, Meio Ambiente e Sociedade (IIRMES – Integrated Research on Materials, Environment and Society)

Os peixes marinhos são importantes fontes de proteína em todo o mundo. À medida que os peixes crescem e envelhecem, eles vão acumulando contaminantes, como metais pesados e PCBs, que podem ser prejudiciais aos seres humanos se forem consumidos em altas concentrações. Os peixes grandes e de crescimento lento, que estão no topo da cadeia alimentar, bio-acumulam contaminantes ao longo da vida e, portanto, quanto maior o peixe maior são os níveis dessas toxinas. A MarAlliance está a colaborar com pesquisadores da IIRMES para determinar os níveis de contaminantes como o metilmercúrio em peixes e tubarões para que seja possível determinar como os níveis de contaminantes desses organismos mudam ao longo do tempo. Os resultados desses estudos ajudarão a informar o público sobre quais as espécies de peixes e os tamanhos mais seguros para comer e os que devem ser evitados.